sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Dores de cabeça

Muitos anos que eu luto contra uma dor de cabeça terrível e que esse final de ano está impossivel de aquentar, isso pode ser devido a minha ansiedade incurável. A nossa cabeça é complicada faz coisas com o resto do corpo que pouca gente entende e aceita, toda vez que eu falo que sou ansioso que estou com dor de cabeça com angustia muita gente diz que é frescura ou que estou exagerado e que isso logo vai passar já tenho 28 anos e tem desde pequeno e nunca passou. Também não quero viver a vida toda tomando remédios. Minha luta solitária continua e vou vencer.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

País terá programa para conservação de recifes de coral

Notícias
País terá programa para conservação de recifes de coral 

A Comissão Técnica sobre Recifes de Coral foi criada, por meio de portaria publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (16/11), no âmbito do Comitê Nacional de Zonas Úmidas, coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente.

O objetivo é elaborar subsídios para um Programa Nacional para a Conservação dos Recifes de Coral, estudar, propor e acompanhar a execução de ações, políticas, programas e projetos para o referido ecossistema e os demais associados, como os costões rochosos, pradarias de fanerógamas, recifes de arenitos, recifes de algas calcárias, entre outros.

A Comissão Técnica será coordenada pela Secretaria de Biodiversidade e Florestas do MMA e terá como membros representantes do Comando da Marinha/Ministério da Defesa e da Secretaria-Executiva da Comissão Interministerial sobre os Recursos do Mar (Secirm); dos ministérios do Turismo, da Pesca e Aqüicultura e da Ciência e Tecnologia; do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (Instituto Chico Mendes) e do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Além disso, a SBPC e a Sociedade Brasileira de Estudos de Recifes de Coral (Corallus) poderão indicar representantes à comissão, assim como organizações civis e não-governamentais.

A portaria pode ser consultada no seguinte link:
http://www.in.gov.br/imprensa/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=66&data=16/11/2010
 
Fonte: Jornal da Ciência

CESPE/UnB

CESPE/UnB Iniciam as inscrições para o concurso do MMA... Façam vale a pena

domingo, 5 de dezembro de 2010

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Cientistas brasileiros estão entusiasmados com nova bactéria


Cientistas brasileiros receberam com entusiasmo a pesquisa da Nasa que revelou a existência de uma bactéria com um metabolismo diferente dos organismos vivos conhecidos até agora. A descoberta, anunciada na quinta (2), tem uma dose de ficção científica, mas, segundo a Nasa, é bem real. Existe aqui na Terra vida de forma diferente da que se conhecia até hoje: é a bactéria gfaj-1.
A descoberta mexeu com a comunidade científica do mundo todo. E aqui no Brasil também causou euforia. Para pesquisadores da Universidade de São Paulo, ela abre um campo para a possível descoberta de novos organismos.
“Está em aberto uma porta de um novo mundo para a biologia”, disse o cientista Douglas Galante, do laboratório de astrobiologia da USP.
Até agora, os cientistas acreditavam que todo ser vivo, do mais simples parasita ao homem, precisava ter, no mínimo, seis elementos químicos básicos: oxigênio, carbono, hidrogênio, nitrogênio, enxofre e fósforo. Mas, segundo a Nasa, a bactéria encontrada nesse lago da Califórnia é uma exceção.
Os pesquisadores cultivaram a bactéria com uma dieta que substituiu gradualmente o fósforo por arsênio, um elemento venenoso para a maioria dos seres vivos. A bactéria conseguiu se multiplicar e ainda modificou seu próprio DNA – trocando parte do fósforo pelo arsênio.
“Toda essa biodiversidade que tem um metabolismo diferente não seria detectada. É possível que exista toda uma série de micro-organismos vivendo junto com a gente, dividindo o planeta junto com a gente e uma proporção tão grande quanto os organismos ‘normais’, mas que a gente não consegue detectar”, explica Galante.
“Em princípio, a descoberta desse tipo de ciência não traz um impacto imediato para sociedade em termos na possibilidade de cura ou coisas desse tipo. O que traz é para a ciência básica um avanço muito grande, na medida em que, com um dado novo, podemos ir atrás de outras questões relacionadas -- não só a questão de origem da vida, origem do material genético, mas também a preocupação da Nasa: a origem da vida fora da Terra”, afirma o professor de biologia evolutiva da USP, Eduardo Gorab.
“Os próprios autores da pesquisa americana admitem que esse foi só o primeiro passo e que há ainda muito a se investigar. Em ciência é sempre assim, a gente responde uma e aparecem ‘n’ outras perguntas para serem respondidas”, diz Gorab.